06/07/2017 às 13h16min - Atualizada em 06/07/2017 às 13h16min

Trump promete resposta severa após lançamento de míssil norte-coreano

Segundo Trump, Washington estuda a adoção de "medidas severas" contra Coreia do Norte

Andrew BEATTY e Sebastien BERGER - AFP
Trump, durante chegada à reunião do G20, na Alemanha. Foto: CHRISTOF STACHE / AFP

 

O presidente americano Donald Trump prometeu nesta quinta-feira uma resposta "bastante severa" a Coreia do Norte, após o lançamento de um míssil balístico intercontinental, um dia depois de Washington e Paris terem solicitado novas sanções contra Pyongyang.

"Eu peço a todas as nações que enfrentem esta ameaça global e demonstrem publicamente a Coreia do Norte que há consequências para seu comportamento muito, muito ruim", declarou Trump durante uma visita a Varsóvia.

Washington estuda a adoção de "medidas severas", disse, antes de completar: "Isto não significa que vamos fazer".

Na quarta-feira, os Estados Unidos, com o apoio da França, anunciaram na ONU a intenção de propor novas sanções contra a Coreia do Norte, mas a Rússia já expressou oposição.

O laçamento do míssil norte-coreano, que segundo especialistas poderia atingir o Alasca, "é uma clara e forte escalada militar", disse a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.

Entretanto, a União Europeia e o Japão pediram nesta quinta-feira a análise de novas sanções internacionais contra a Coreia do Norte, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

"Concordamos em apelar à comunidade internacional a reforçar as medidas que buscam restringir ainda mais a transferência de bens e tecnologia", afirmou Tusk após se reunir em Bruxelas com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Nos primeiros meses de seu mandato, Trump tentou convencer a China a controlar as explosões nucleares de seu aliado norte-coreano. Mas com o tempo, se deu conta de que Pequim não trabalharia nesse sentido.

No mais recente sinal de sua crescente insatisfação com o gigante asiático, Trump afirmou na quarta-feira no Twitter que a China está minando os esforços dos Estados Unidos e que aumentou seu comércio com Pyongyang.

 

- Sanções, única opção -

 

Frank Aum, ex-assessor sobre a Coreia do Norte do Departamento de Defesa, aumentar as sanções é a única opção realista para os Estados Unidos.

"Não acredito que a administração Trump planeje nenhuma outra opção. Já não acreditam realmente nas negociações e pensam que devem aumentar a pressão, sobretudo na área financeira".

A China defendeu nesta quinta-feira o uso de uma linguagem moderada por ambas as partes.

"Também pedimos que as partes mantenham a calma (...) e se abstenham de palavras e atos que possam aumentar a tensão", declarou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, à imprensa.

"Quando as condições estiverem dadas, estarei pronto para me encontrar com o líder norte-coreano", afirmou em Berlim.

O novo presidente sul-coreano, Moon Jae-In, classificou a ação do vizinho de "grave provocação" e se mostrou partidário de "reagir com algo mais que uma mera declaração".

Moon, que defende uma política de sanções para a Coreia do Norte combinada com esforços para que retorne às negociações, advertiu a Pyongyang que há uma "linha vermelha" que não pode ser ultrapassada.

Em uma reunião com a chanceler alemã Angela Merkel antes da reunião do G20 em Hamburgo, Moon disse que "a velocidade" do avanço dos programas nuclear e balístico da Coreia do Norte é "um problema maior".

 

- "Linha Vermelha" -

 

No começo de seu mandato, Trump acreditava que a Coreia do Norte não conseguiria lançar um ICBM com êxito.

No entanto, especialistas independentes americanos estimaram na terça-feira que Pyongyang pode estar em condições de atingir o Alasca.

O Conselho de Segurança adotou no ano passado duas resoluções para aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte e impedir que seu líder Kim Jong-Un tivesse acesso ao dinheiro necessário para financiar seus programas militares.

Aas resoluções apontam diretamente para as exportações de carvão norte-coreano, fonte importante de receitas para o regime.

No total, a ONU adotou seis pacotes de sanções contra a Coreia do Norte desde seu primeiro teste atômico em 2006.

Pyongyang, que já realizou cinco testes nucelares e tem um pequeno arsenal de bombas atômicas, diz que seu novo míssil pode transportar "uma grande ogiva nuclear".

Em resposta ao míssil balístico intercontinental testado na véspera por Pyongyang, Washington e Coreia do Sul dispararam na quarta-feira mísseis que simularam um ataque cirúrgico contra o governo norte-coreano.


Com informações da  Agence France-Presse


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com a gente
Portal M2 News
Envie NOTÍCIAS e receba as principais notícias publicadas no Portal M2 News em seu WhatsApp. SERVIÇO 100% GRATUITO!