22/02/2019 às 15h32min - Atualizada em 22/02/2019 às 15h32min

Confronto na fronteira da Venezuela com Brasil deixa 2 mortos, diz oposição

Ao menos duas pessoas morreram na fronteira entre Brasil e Venezuela

Com informações - Folhapress
Redação M2 News
Foto: Reprodução/Redes Sociais

 

Ao menos duas pessoas morreram na fronteira entre Brasil e Venezuela hoje durante confrontos com forças de segurança do ditador Nicolás Maduro. A fronteira está fechada desde a noite de ontem por ordem de Maduro, e a região de Santa Elena do Uairén teve o efetivo militar reforçado nos últimos dias para evitar a entrega da ajuda humanitária. Ao menos 12 pessoas ficaram feridas --a imprensa venezuelana afirma que este número pode chegar a 22.

Segundo autoridades, os mortos são da comunidade indígena Kumaracapay. A primeira morte foi confirmada pelo presidente interino, Juan Guaidó: a indígena Zoraida Rodriguez. Segundo Guaidó, dois soldados dispararam contra indígenas que protestavam em um posto de controle em apoio à entrada das doações. A segunda vítima é Rolando García, segundo confirmaram os deputados opositores Americo de Grazia e Jose Guerra.

Em declarações para a agência de notícias Associated Press, o prefeito de Gran Sabana, Emilio Gonzáles, afirmou que os soldados dispararam balas de borracha e gás lacrimogêneo.

O irmão de Zoraida, Tony Rodríguez, contou à associação venezuelana Kapé-Kapé, que atua na região defendendo os povos indígenas, que o confronto começou quando os indígenas da comunidade tentavam impedir de fecharem a via por onde passaria a ajuda humanitária na fronteira do estado de Bolívar quando os soldados começaram a atirar. Segundo a Kapé-Kapé, Zoraida é esposa de Rolando García. 

Reprodução

Reprodução

 
Manifestantes venezuelanos se aglomeram na fronteira com o Brasil
defendendo a entrada de ajuda humanitária Imagem: Reprodução

"Kapé Kapé considera inaceitável a morte de Zoraida Rodríguez e seu marido, Rolando García, em um ato de sangue que  leva essa família ao luto, especialmente porque foi perpetrado por oficiais da GN [Guarda Nacional], os quais, sem nenhuma mediação, abriram fogo contra o grupo da Guarda territorial pemón que impediu a passagem das tropas em defesa da chegada da ajuda humanitária à fronteira com o Brasil", escreveu a ONG em um texto institucional publicado hoje.

 

De acordo com a Kapé-Kapé, os militares seguiam em direção ao sul em uma caravana composta por seis comboios para "rejeitar o ingresso da ajuda humanitária". 

Em um vídeo publicado pela rede venezuelana NTN24, um dos indígenas feridos hoje pela Guarda Nacional, Alberto Delgado, afirmou que entrou no conflito porque não tem mais condições de arcar com a saúde de seus familiares. Seu filho, segundo ele, faz tratamentos em Boa Vista, capital de Roraima. "O único responsável por isso se chama Maduro", diz Delgado. 

 

A Secretaria de Saúde de Roraima confirmou que os feridos foram levados para atendimento em Boa Vista, que fica a cerca de 200 quilômetros de Pacaraima --a fronteira foi aberta para que ambulâncias transportassem as vítimas.

Desde que o Brasil começou, há poucos dias, a organizar o envio de ajuda humanitária na cidade de Pacaraima, em Roraima, soldados e tanques venezuelanos foram enviados para a região de fronteira.

Autoridades brasileiras afirmaram ontem que a entrega de alimentos e medicamentos, solicitados pelo presidente interino Juan Guaidó, está mantida apesar do fechamento da fronteira. A operação deve ser realizada amanhã, com a coordenação do governo dos Estados Unidos --o plano prevê que caminhões e motoristas venezuelanos venham até o lado brasileiro para buscar as doações, e nenhum brasileiro integrante da missão entrará em território venezuelano.

Segundo o governo brasileiro, um avião da Força Aérea foi para Boa Vista com quase 23 toneladas de leite em pó e 500 kits de primeiros socorros e medicamentos.

Guaidó pediu que os militares "definam como querem ser lembrados". "Já sabemos que vocês estão com o povo, vocês nos deixaram isso bem claro. Amanhã poderão demonstrar isso", diz o presidente interino, referindo-se ao fechamento das fronteiras ordenado por Maduro.

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Santana do Rêgo Barros, afirmou ontem à noite que, no momento, não há possibilidade de conflito na fronteira do Brasil com a Venezuela e que o envio da ajuda humanitária está mantido.

Em seu perfil no Twitter, Nicolás Maduro publicou um vídeo institucional de apoio às Forças Armadas venezuelanas, ressaltando seu "total respaldo" aos militares. 

Nuestra #FANB está desplegada en el territorio nacional para garantizar la paz y la defensa integral del país. Todo mi respaldo a las REDI y a las ZODI. Máxima moral, máxima cohesión y máxima acción. ¡Venceremos! pic.twitter.com/Pd5XM32tA0

"Nossa #FANB está implantada  território nacional para garantir a paz e a defesa integral do país. Todo o meu apoio ao REDI [Regiões de Defesa Integral] e ao ZODI [Zonas de Defesa Integral]. Máxima moral, coesão máxima e ação máxima. Venceremos!", escreveu Maduro.

O líder venezuelano, no entanto, não fez referências diretas às mortes que aconteceram na fronteira com o Brasil. 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com a gente
Portal M2 News
Envie NOTÍCIAS e receba as principais notícias publicadas no Portal M2 News em seu WhatsApp. SERVIÇO 100% GRATUITO!